Nutrólogos manifestam preocupação com aumento na epidemia de obesidade no Brasil

Mais da metade da população brasileira está acima do peso, de acordo com dados de pesquisa do Ministério da Saúde publicada hoje. A Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) manifesta preocupação e vê urgência em medidas efetivas para combater a epidemia da obesidade no país.

Para o médico nutrólogo e presidente da ABRAN, Dr. Durval Ribas Filho, o grande problema é que o Brasil combina a chamada carga dupla, obesidade e má nutrição. “Temos que oferecer à população os benefícios que a Nutrologia traz à saúde. A ABRAN defende o ensino de qualidade da Nutrologia em clínica médica, mas alguns médicos recém-formados têm uma ideia superficial e treinamento muito pequeno na especialidade”, endossa. E, acrescenta: “a ABRAN reitera a importância da educação alimentar desde a infância, para que se possa combater, por meio da informação, o problema de saúde pública”.

“É preciso que se entenda que a obesidade é uma doença nutrológica, em geral, com distúrbios de vários nutrientes e não somente com aumento de peso. Há 60 ou mais anos, o grande problema médico mundial era a falta de alimentos, a fome. Ainda ela continua para uma boa parte da população mundial. Mas, para a maioria dos habitantes do mundo, nos países em melhor situação econômica e onde se implementaram indiscriminadamente programas de alimentação assistencialista, não se ensinou a comer. Com isso, começaram a aparecer e multiplicar o sobrepeso e a obesidade, tornando-se uma grande epidemia”, declara.

A pesquisa aponta que 55,7% da população está com Índice de Massa Corporal acima do valor considerado ‘normal’ pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Já o número de obesos está estável desde 2015, com pequena variação. De acordo com o levantamento, 55,7% dos entrevistados têm excesso de peso – aumento de 30,8% desde 2006, quando o Ministério da Saúde começou a realizar a pesquisa. Naquele ano, 42,6% dos brasileiros estavam acima do peso.

Já em relação à obesidade, entre 2006 e 2018 a porcentagem de pessoas aumentou de 11,8% para 19,8%, maior índice registrado em todo o período. Apesar do recorde, o valor é considerado estável desde 2015, quando a porcentagem foi de 18,9%.

Fonte: ABRAN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Veja também:
Menu